atendimento-Telef

Bom dia, você não está logado.

Desafios

Empresa que tem como estratégia superar desafios.

 

Fábrica de Software

Comprometida com as melhores práticas de desenvolvimento, arquitetura e qualidade de produtos.

A SoftLight

Desenvolvimento e prestação de serviços em Tecnologia da Informação.

Desinsetizadoras

DetSys - CONTROLE DE DESINSETIZADORAS

Leia Mais...

RENTCAR

Leia Mais...

Retaguarda Flex

Leia Mais...

Pdv

Suporte

Sua Empresa livre de qualquer problema

Datacenter

Venha hospedar seu site conosco.

TECNOLOGIA

Nos últimos anos, muitos produtos no setor de segurança e monitoramento foram lançados tendo a “Tecnologia IP” como um de seus principais recursos. Não é à toa: o uso dessa tecnologia para monitoramento eletrônico cresce em média 35% ao ano e em breve, liderará o setor. Mas para que serve este recurso?
A tecnologia IP é responsável por trafegar os dados (voz, vídeo, dentre outros) em rede, diferentemente de equipamentos analógicos e de aparelhos digitais sem comunicação via network.

Simplicidade e economia

De maneira geral, essa característica permite simplificar bastante os sistemas de segurança e monitoramento. O principal motivo disso é que a estrutura de rede da qual elas se utilizam pode ser a mesma que a maioria das empresas já possui, o que elimina a necessidade de gastos com equipamentos e instalação de uma rede separada. Porém, é recomendável o uso de uma estrutura específica, especialmente por questões de tráfego de dados e garantia de funcionamento contínuo.

Como a infraestrutura é a mesma que a empresa já utiliza, a instalação e manutenção do sistema de segurança podem ser feitas pela mesma equipe que já cuida do resto, o que também ajuda a economizar. Além disso, cada câmera com tecnologia IP pode substituir até quatro câmeras analógicas num mesmo ambiente, levando-se em consideração a qualidade de imagem.

Todos esses fatores fazem com que essa tecnologia apresente uma economia considerável com relação ao uso de equipamento analógico, especialmente em projetos que exigem muitas câmeras. Ainda que equipamentos com essa tecnologia costumem ser mais caros, os custos com a instalação da infraestrura costumam compensar e no resultado final baratear o projeto. Ainda contam o menor tempo de instalação e a menor necessidade de manutenção.

Câmeras inteligentes

As câmeras IP (como são chamadas as câmeras compatíveis com essa tecnologia) também apresentam, em relação às câmeras analógicas, a vantagem de fazer o gerenciamento das imagens e, em alguns modelos, até o armazenamento diretamente nelas, ou seja, captação e processamento da imagem descentralizados, trazendo economia na transmissão de dados.

Em termos de qualidade de imagem, a vantagem delas também é imediatamente perceptível. Elas estão disponíveis em resoluções de 1 megapixel (HD), 2MP (Full HD), 3MP e 4MP. Já existem no mercado câmeras com resoluções ainda maiores. Algumas delas também possuem tecnologia IR inteligente, que mantém a nitidez das imagens mesmo que o objeto observado esteja muito perto da lente.

Outro recurso que algumas câmeras IP possuem é o de detecção de movimento: elas só gravam imagens quando detectam algo se movendo em seu campo de visão, o que permite poupar espaço de armazenamento. Algumas são até mesmo capazes de enviar alerta por e-mail para o operador em caso de ocorrências.

Dimensionamento

Gestores interessados em utilizar uma solução IP para seus sistemas de monitoramento e segurança também podem usar o software Di.Ca. Desenvolvido pela Intelbras, o programa auxilia usuários a dimensionar seus sistemas: ele calcula e sugere modelos para cada espaço e situação de um projeto, sem que o usuário precise ter conhecimento sobre o assunto.

Outro programa que facilita a instalação é o IP Utility, um software gratuito que auxilia o técnico na hora de instalar e configurar as câmeras IP Intelbras. Entre os benefícios estão a busca das câmeras conectadas à rede, configuração e teste de funcionamento do DDNS Intelbras, configuração de endereço IP e atualização de firmware individual ou em lote.

Por: Renato Santiago